PROTEÇÃO DE DADOS | Equipe da Arcserve
A proteção dos dados corporativos virou assunto do momento por conta de diversas violações graves, entre elas um ataque de ransomware contra um fornecedor da Apple, a Quanta Computer. Embora o ataque seja uma grande coisa, é bem provável que esse incidente não tivesse atraído tanto a atenção da mídia se não fosse pelos dados sigilosos do novo MacBook que foram supostamente roubados e possivelmente publicados online.

Os ataques de ransomware ficaram mais frequentes nos últimos anos. Como muitos deles têm como alvo grandes empresas com possibilid

A proteção de dados no centro das atenções
Em meio ao aumento das ameaças cibernéticas, à crescente demanda dos consumidores por privacidade de dados e mais estados e países impondo regulamentações rigorosas de proteção de dados, muitas empresas descobriram que precisam reformular suas estratégias de proteção de dados.

Nos últimos anos, o ambiente de TI corporativo ficou bem complexo. Quando você começar a analisar e atualizar a tecnologia, os processos e as políticas de proteção de dados da sua empresa, é possível que descubra que a antiga abordagem à segurança dos dados já não atende às infraestruturas complexas de hoje.

Como simplificar e modernizar a proteção de dados
Para alinhar suas iniciativas de proteção de dados às práticas recomendadas atuais, identificamos cinco elementos que ajudam a reforçar o nível de proteção contra as maiores fontes de violação de segurança, e da consequente perda de dados, atualmente.

1. Automação
Softwares desatualizados e vulnerabilidades não corrigidas são os dois dos pontos de entrada mais comuns para o ransomware e outros aplicativos maliciosos. Se a sua empresa não tem recursos para montar uma equipe específica para cuidar dos patches e atualizações, é bem provável que você já tenha perdido alguns deles.

O processo de automatizar o gerenciamento de patches e implementar atualizações automáticas pode aliviar um pouco a pressão da sua equipe de TI, já tímida e dispersa, e reduzir algumas dessas falhas que podem ser exploradas com facilidade.

Outro processo de segurança importante que pode ser automatizado para sua tranquilidade é o backup. Garantir que backups frequentes e completos sejam feitos regularmente e armazenados com segurança fora da rede é uma forma de evitar que os dados sejam corrompidos e de torná-los disponíveis, se necessário, para recuperação.

2. Menos complexidade
Muitas infraestruturas de TI corporativas hoje são um labirinto de ferramentas legadas, diferentes tipos de cargas de trabalho, soluções de armazenamento distintas e múltiplas interfaces para gerenciar tudo isso. Esse alto nível de complexidade dificulta o monitoramento do desempenho e da segurança e facilita a entrada dos criminosos cibernéticos sem que sejam detectados.

Você pode diminuir um pouco essa complexidade consolidando os backups em uma solução de backup em nuvem e implementando uma interface de gerenciamento centralizada que aumente a visibilidade de todos os diferentes sistemas em uso.

3. Soluções unificadas
Além de simplificar o gerenciamento dos backups e da infraestrutura, você também pode reduzir a complexidade e melhorar a segurança dos dados substituindo várias ferramentas por uma única solução unificada.

As suas ferramentas de proteção de dados e segurança cibernética são boas candidatas para unificação, assim como as de recuperação de desastres e backup em nuvem. Essas soluções práticas e abrangentes oferecem simplicidade, visibilidade e proteção de dados e segurança cibernética de alto nível, o que é difícil conseguir combinando ferramentas e componentes distintos.

4. Proteção de dados como serviço
As empresas hoje têm dezenas de opções “como serviço” para ajudar na produtividade, colaboração, gestão de clientes e até na infraestrutura de TI. A proteção de dados como serviço (DPaaS) é um desses produtos por subscrição baseados na nuvem/web e que oferece proteção de dados de três maneiras diferentes:

  • Backup como serviço (BaaS): a solução BaaS faz backups frequentes na nuvem para que os dados essenciais da empresa possam ser recuperados após um desastre ou incidente de segurança.
  • Recuperação de desastres como serviço (DRaaS): a solução DRaaS protege os dados da sua empresa e seus aplicativos e infraestrutura. Basicamente, essa solução retoma as operações de TI depois de uma crise.
  • Armazenamento como serviço (STaaS): não confunda com BaaS. STaaS é uma solução para armazenamento centralizado de arquivos, uma alternativa de fácil acesso e com excelente custo-benefício ao armazenamento local.
  • 5. Inteligência artificial e Machine learning
    O Machine learning e a inteligência artificial não são novidades, mas estão sendo usados de formas diferentes e inovadoras. As empresas adotam cada vez mais essas tecnologias como parte de uma estratégia abrangente de proteção de dados e segurança cibernética.

    Esses programas são muito mais eficientes que os seres humanos na varredura e análise de dados em busca de padrões. A inteligência artificial e o machine learning, são de grande valor na detecção de ameaças conhecidas e novas, usam autenticação biométrica e análise comportamental para localizar e reparar vulnerabilidades antes que ocorra uma violação.

    E o que vem a seguir em proteção dos dados corporativos?

    As equipes de TI das empresas ficaram sobrecarregadas no último ano e meio. Embora falar “prova de fogo” soe um pouco exagerado, 2020 foi um alerta para muitas empresas, porque vários eventos expuseram vulnerabilidades sérias de segurança e falhas nas estratégias de continuidade dos negócios e de proteção de dados.

    Com as coisas começando a voltar ao normal, as equipes de TI precisam reforçar a vigilância no que diz respeito à proteção dos dados, sistemas e aplicativos essenciais da empresa contra as ameaças cibernéticas que, provavelmente, não diminuirão tão cedo.

    Baixe o Seu Guia para um Futuro Sem Ransomware para saber como mitigar o risco de ransomware e como montar um plano de proteção de dados preparado para o futuro.

    EXPLORE